Passa por cima!

Diante de uma buzina insistente, quem nunca proferiu a frase do título? O que poucos sabem é que o buzinador pode ser mais uma vítima da Síndrome da Pressa. Confira a participação de Giselle Franco, Gerente Executiva da Thomas Case & Associados Rio de Janeiro, na Revista Kalunga, para falar sobre essa síndrome que já acomete 30% da população.

Por Melissa Georgetti

Correr o dia inteiro, achar que todo mundo é muito devagar, apertar o botão do elevador sem parar, viver irritado e sob pressão, buzinar para o carro da frente assim que o semáforo fica verde, sempre se sentar na ponta da cadeira, engolir a comida sem mastigar e se perceber muito acelerado em pleno domingo. Cuidado, situações como essas são cada vez mais comuns na rotina da população mundial, e podem ser sintomas da Síndrome da Pressa, um quadro ainda não oficializado como um transtorno pela psiquiatria, mas estudado desde a década de 1980. Ela se caracteriza por um padrão de comportamento de ansiedade continua e pela sensação esmagadora de urgência, que acompanha a pessoa 24 horas por dia em qualquer lugar, diante de qualquer situação.

A pessoa acometida por essa síndrome se sente cronicamente sem tempo, muito ansiosa e com um sentimento de urgência que a deixa sempre alarmada e nervosa. Costuma estabelecer uma quantidade imensa de tarefas praticamente impossíveis de serem realizadas em curto espaço de tempo, sempre acha que vai dar tempo de executá-las e ainda fazer muita coisa em um único dia. Quando não consegue, os sentimentos de frustração, incapacitação e autocobrança aparecem, gerando mais ansiedade e estresse. Para se livrar do sentimento de urgência e fracasso, a pessoa coloca mais tarefas para serem feitas no dia seguinte, e novamente não conseguirá ter o desempenho desejado, gerando um círculo vicioso de mais pressa, insatisfação e estresse, que não consegue romper.

A Síndrome da Pressa já acomete quase 30% da população, segundo pesquisadores, sendo a maioria do sexo masculino. Afeta significativamente a vida da pessoa em todas as áreas e compromete a saúde física, emocional e psicológica de seus portadores. Os sintomas são: temperamento inquieto, tensão constante, agressividade, hostilidade, impaciência, problemas de memorização, insónia e interrupção da fala de outras pessoas. Emocionalmente, o transtorno acaba afetando as relações interpessoais, o vínculo com os filhos e a autoestima de quem convive com essa pessoa, pois ela está sempre irritada, impaciente e emitindo críticas a tudo e a todos.

No corpo, os efeitos também são prejudiciais e alarmantes. Podem começar pelas mãos frias, boca seca, dores musculares, cansaço, azia e dificuldade para engolir; evoluir para distúrbios gástricos, transtornos alimentares, fadiga e pressão alta e chegar a problemas no coração. Isso ocorre porque o constante estado de alerta típico da Síndrome da Pressa libera muita adrenalina e cortisol no corpo humano, sendo essa última substância conhecida como “o hormônio do estresse”, bastante prejudicial ao sistema imunológico e associado a algumas doenças cardíacas.

Pressa x vida profissional

A Síndrome da Pressa pode afetar negativamente a vida de seus portadores, no trabalho e na carreira O impacto desse transtorno na profissão é bastante acentuado, até porque o ambiente corporativo costuma cobrar muito de seus funcionários, principalmente o cumprimento de metas, prazos e horários. De acordo com Giselle Franco, gerente executiva e especialista em carreiras da Thomas Case &Associados a Síndrome da Pressa acaba tornando os profissionais mais competitivos e agressivos, com desejo de produzir mais em menos tempo: “A pessoa faz tudo correndo, com a sensação de que o dia não será suficiente para dar conta de toda a demanda e, por isso, não deve perder tempo nem mesmo com momentos de descanso, como o horário de almoço ou com a hora de dormir. Ignorando essas pausas tão necessárias, aumentam os sinais de irritação, hostilidade e impaciência.”

Toda essa energia focada no trabalho pode ser encarada como algo positivo para as empresas, que buscam a superação de limites e os melhores resultados no menor tempo possível. No entanto, para os profissionais, o quadro acaba sendo muito prejudicial, ocasionando problemas de concentração e afetando indicativos como a produtividade e a criatividade (habilidade muito prejudicada pela pressa e pelo imediatismo). A médio prazo, o que parecia bom para a empresa acaba se tornando um problema, pois, além da qualidade de trabalho dessas pessoas ir caindo ao longo de semanas e meses, elas acumulam tarefas e não conseguem se desconectar do serviço ou ter momentos de lazer. Em consequência, acabam adoecendo e se afastam do trabalho.

Outros fatores ligados a esse transtorno são a Internet e o uso excessivo de celulares: “A evolução das tecnologias tem feito com que as pessoas não se desliguem do trabalho. Algumas já acordam recebendo e respondendo e-mails e mensagens e o tempo de resposta cobrado e esperado tem sido cada vez menor”, relata Giselle. “Como não se desligam nunca, começam a ter a sensação de que as tarefas não ‘cabem’ dentro do dia, e acreditam que quanto mais rápido gerarem respostas, mais demandas vão atender”, alerta.

O ritmo das grandes metrópoles também favorece o surgimento da Síndrome da Pressa, mas de nada adianta acreditar que basta se mudar para um lugar mais tranquilo para os sintomas desaparecerem: “É preciso ter cautela e entender que cada caso é um caso e que desacelerar é, antes de tudo, um processo interno. Aprender a respirar, rever as atividades, identificar o que de fato precisa ser feito com urgência e também o que pode ser delegado são atitudes essenciais para sair desse ciclo negativo que a síndrome traz. Sem esse processo interno, é provável que a pessoa carregue a síndrome para qualquer local que vá e, em alguns casos, a mudança para um lugar muito calmo pode até aumentar a ansiedade: Já para outras pessoas, a mudança para uma cidade menor e mais calma pode ser ótima opção. E importante analisar caso a caso, segundo ela.

Hora de mudar

Presente nos hábitos e na forma de encarar a vida, a Síndrome da Pressa não é fácil de ser combatida, mas certamente é possível ser superada. Para começar, é preciso mudar a maneira de encarar situações do dia a dia e buscar uma reeducação, como mudança na rotina e a desaceleração do ritmo. Andar mais devagar, mastigar mais vezes cada porção de alimento, pousar o garfo e a faca no prato enquanto come, encostar as costas na cadeira, inspirar antes de interromper alguém que está falando são medidas simples, mas que já fazem muita diferença, tanto na mente como no corpo. Confira outras dicas para se libertar da Síndrome da Pressa:

No trabalho

Planeje-se melhor, organize sua agenda e tarefas.

Evite fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo, foque sua atenção em uma única atividade.

Peça ajuda, delegue tarefas, não tente abraçar o mundo.

Se você se perceber invadido por uma torrente de pensamentos, tire-os de sua cabeça, anote tudo na sua agenda ou em um caderno.

Deixe um livro não relacionado ao trabalho sobre sua mesa. Pode ser de mensagens, de contos curtos, de reflexões ou de citações inspiradoras. Pare tudo e leia pequenos trechos durante o dia.

Não pule refeições, nem coma em sua mesa de trabalho. Saboreie a comida e faça pequenas pausas de alguns minutos durante o dia para desacelerar. Respire enquanto olha por alguma janela, saboreie um café ou tome um copo de água vagarosamente.

Em seu tempo livre:

Entre mais em contato com a natureza, pise na terra, contemple paisagens, respire o ar livre.

Faça mais atividades físicas.

Reserve um tempo para o lazer sem se importar com o relógio.

Procure incorporar a meditação em sua vida, já é comprovado que esse hábito reduz consideravelmente a ansiedade e o estresse. Dez minutos pela manhã e mais dez antes de dormir já fazem maravilhas.

Realize mais atividades simples e manuais, como cozinhar, trabalhar com madeira, mexer na terra, pintar ou esculpir.

Procure ficar por alguns períodos sem acessar o celular e o computador.

Viva o que está fazendo, ao estar com sua família e amigos, não deixe o pensamento voltar para o trabalho. Como dizem: o hoje é uma dádiva, por isso se chama presente.

Promover mudanças no modo de vivenciar o cotidiano não é fácil, mas é perfeitamente possível. Para vencer a Síndrome da Pressa, o segredo é dar um passo de cada vez, isso evita queda e tropeços e permite que você admire e aproveite a caminhada, ao invés de se atropelar e querer que a vida passe correndo. Vale muito a pena.

Link da edição da revista: http://bit.ly/2Jv5dMQ

Thomas Case & Associados

Ao longo de 41 anos de atividades, nossos especialistas em Transição de Carreira, Outplacement, Coaching, Executive Search e Desenvolvimento contribuem com reportagens para diversos veículos de comunicação do país, por isso, a Thomas Case & Associados é considerada uma das principais fontes para consultas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *