O que você quer em 2019? Confira dicas para estabelecer metas e cumpri-las

Mudar de emprego ou conseguir um, ser promovido, ganhar mais, passar em concurso público. Seja qual for seu objetivo, apenas desejar não adianta. O mais importante é traçar alvos palpáveis, além de estabelecer o passo a passo para chegar lá. Manter o foco é a saída para não chegar ao fim de mais um ano, mais uma vez, sem ter cumprido nada. Confira a participação de Deise Gomes, Gerente Executiva da Thomas Case & Associados Curitiba, no jornal Correio Braziliense e replicado no portal Eu Estudante.

Por Thais Martins

Hora de (re)pensar a carreira

Vêm aí 365 novas oportunidades. É assim que um novo ano deve ser encarado. Pode ser clichê, mas os profissionais que levarem a afirmação a sério têm mais chances de controlar melhor o tempo e as próprias ações a fim de alcançar metas. Os últimos dois dias de 2018 são uma ótima ocasião para (re)pensar a carreira e traçar objetivos. No entanto, é importante ter foco para não chegar ao fim de 2019, mais uma vez, sem cumprir o que planejou. Traçar metas corretamente e saber como cumpri-las foi a receita do sucesso de Jéssica Bueno, 38 anos. Depois de 10 anos como servidora da Caixa Econômica Federal, ela resolveu largar tudo e virar consultora de imagem na empresa que abriu com uma sócia, a Moving Gestão da Imagem e Reputação.

Jéssica largou o emprego para abrir a própria empresa: para isso, foi necessário planejamento

“Eu sabia que poderia fazer muito mais pelos outros. Tentei mudar de área mas, por causa das reestruturações, as vagas foram congeladas. Foi aí que coloquei todo o gás que podia e, em cinco meses, eu me estruturei e consegui sair.” Ela explica como foram os primeiros passos para isso. “Cumpri minhas metas com muito foco e fazendo escolhas necessárias. Muitas vezes, deixei de sair e aproveitar os amigos e a família, trabalhei muito”, conta. O investimento, porém, valeu a pena. “Mudei de mentalidade, aprendi a vender e triplicamos o faturamento de 2017 nos cinco primeiros meses deste ano. Então, em maio, decidi que já estávamos no momento certo de me dedicar somente à Moving”, esclarece.

Estabeleça alvos

Aline Marra, master coach

De acordo com Aline Marra, master coach e master trainer da Federação Brasileira de Coaching Integral Sistêmico (Febracis), para traçar metas que sejam alcançáveis, é preciso, antes de tudo, que elas estejam bem delimitadas. “Meu cérebro só entende o que é preciso e claro. Não adianta querer ganhar mais dinheiro, tem que determinar quanto a mais deseja ganhar”, exemplifica. Com objetivos traçados, é hora de fazer acontecer. “Tem que traçar um passo a passo de como realizar essas ações.” Mas atenção: “O maior erro é estabelecer tarefas como se fossem meta”. Por exemplo, ler livros ou fazer cursos não podem ser considerados metas, mas, sim, passos para alcançar determinada meta — por exemplo: ser um profissional melhor, ser promovido a gerente, ganhar R$ 1.000 a mais por mês.

A gestora de recursos humanos pela Universidade Anhembi Morumbi Deise Gomes enfatiza a importância de ser específico nos objetivos propostos. “É muito normal as pessoas listarem o que querem e não conseguirem concretizar aquilo. Isso porque não estabelecem prioridades. Querem fazer várias coisas: uma pós-graduação, viajar, arrumar um emprego. Um dos pontos principais é ter clareza e priorizar algo”, diz. Outro passo necessário é não estabelecer metas que dependam de outras pessoas para serem realizadas. “Pense: quanto esse objetivo depende de mim numa escala de zero a 10? Se precisa de eventos externos para acontecer, será necessária uma estratégia mais potente. Então é melhor dar prioridade para o que só depende de si e estabelecer prazos. Até quando quero ter um emprego novo?”, exemplifica. “Caso contrário, chega o fim do ano mais uma vez e, novamente, os planos estarão só no papel.”

Quando a meta é arranjar emprego

O cabeleireiro Alessandro busca recolocação

Com mais de 13 milhões de desempregados e um novo governo iniciando seus trabalhos, há muita expectativa e especulação com relação aos próximos 12 meses. O cabeleireiro Alessandro Cantionilo, 33 anos, engrossa há um ano o volume de pessoas em busca de emprego. Por isso, a principal meta dele já está traçada há tempos: retornar ao mercado de trabalho. “O número de desempregados é muito grande, mas a minha expectativa para este ano é de grande mudança”, diz. Ele garante estar bem preparado para seleções. “Sou um ótimo profissional. Consigo exercer muito bem várias funções”, afirma.

A boa notícia é que bons ventos são esperados, na avaliação de Rodrigo Vianna, CEO da empresa de recrutamento Mappit. Segundo ele, as perspectivas para o mercado de trabalho em 2019 são positivas. “Estamos saindo de um momento muito complicado. Há uma luz no fim do túnel. Não dá para saber ao certo, mas há uma expectativa de que seja um ano melhor”, observa. Caso a economia realmente melhore, ele destaca que, além da geração de empregos, o cenário fica mais propício para empreendedores, por exemplo.

Há vagas

Para a gestora pedagógica do Centro Brasileiro de Cursos (Cebrac), Nancy Sert, o fim de ano é uma excelente hora para pensar em mudanças. Isso porque, naturalmente, as pessoas já tendem a fazer resoluções nesse período.

“É uma época em que se faz uma retrospectiva pessoal e profissional de tudo na vida”, destaca. Deise Gomes, gerente executiva da Thomas Case & Associados, empresa de consultoria de gestão de carreiras e RH, destaca que há, sim, oportunidades de emprego abertas também no início de janeiro (então, não tem essa história de que o ano só começa após o carnaval).

“Escutamos dizer que o mercado para e, claro, diminuem os processos seletivos na última quinzena de dezembro e na primeira de janeiro, mas isso não significa que não existam oportunidades. Só é preciso estar atento.” Nancy ressalta que há diversas chances que aparecem exatamente neste período. “A economia dá uma aquecida, favorecendo quem está em busca de recolocação. Este é um período no qual as ofertas de emprego tendem a aumentar. Muitos são temporários. Mas, dependendo do desempenho da pessoa, ela consegue ser efetivada”, afirma.

Mãos à obra

Deise Gomes, gerente executiva de uma consultoria de RH

Para quem está à procura de emprego, Deise Gomes diz que é preciso estar por dentro das notícias. “É importante saber como está o mercado de trabalho e como a política impacta o cenário laboral. É o tipo de informação que se consegue acompanhando veículos de comunicação”, sugere. “Depois disso, é preciso fazer uma análise profunda do seu perfil, identificar o que você tem de diferencial e de fraqueza. Preciso ter clareza de como vou me vender”, afirma. Além disso, ela ressalta que é preciso fazer contatos. “Tem várias ferramentas disponíveis, como o LinkedIn, que é uma rede social bem orientada para a carreira”, aconselha.

 

Rodrigo Vianna, CEO de empresa de recrutamento

“É preciso estar atento às possibilidades, e a internet proporciona isso. Mantenha sempre o currículo e o perfil no LinkedIn atualizados”, concorda Rodrigo Vianna, administrador pela Fundação Álvares Penteado. No caso de a pessoa querer se arriscar em uma nova área, ele recomenda pensar bem. “Não tem uma regra. A saída é estar atento às possibilidades. Pergunte-se: por que estou saindo de onde estou? Será que já explorou todos os aspectos daquele setor? E aí, sim, veja se realmente está pronto para isso”, ensina. “Tem muita gente que pede demissão e depois volta atrás. O motivo? Falta de certeza antes de partir para a outra”, completa.

 

Nancy Sert, gestora Nancy Sert, gestora pedagógica

Para Nancy, é preciso, nesses casos, olhar para si mesmo. “Se você está se sentindo desmotivado e sem prazer no que faz, é um sinal de alerta para ir atrás de outra profissão. Depois, olhe o mercado”, explica. A especialista em gestão de pessoas destaca, ainda, que o mais importante é estar bem preparado para o que se almeja. “Muitas vezes, as vagas não são preenchidas por falta de mão de obra capacitada”, afirma. Por isso, ela ressalta a importância de sempre estudar. “Aconselho as pessoas a buscarem treinamentos. Não se acomode. O mercado muda muito rápido”, enfatiza. Para se especializar, Aline destaca que não necessariamente é preciso gastar dinheiro.

“É necessário se capacitar. Tem muitos cursos on-line e gratuitos, além de livros excelentes. Invista em si mesmo e em conhecimento, mas dentro das suas capacidades financeiras”, indica. Também é preciso saber se apresentar, garante Aline. “Não se prepare somente para a vaga, mas para o processo seletivo, a entrevista e as dinâmicas de grupo. Mantenha o currículo atualizado e de forma atrativa, porque esse é o primeiro contato do empregador. Se tiver erros de português, informações a mais ou a menos, você pode acabar descartado por isso. Aí, a sua capacitação não adiantará de nada”, enfatiza. No fim, a dica principal, de acordo com Aline, é: “Se você quer um ano extraordinário, seja uma pessoa extraordinária, então tenha em mente que você sempre pode ser melhor”.

Guia para traçar planos

A meta precisa ser…

» Específica. Qual o cargo pretendido? Qual a empresa? Qual caminho trilhar?
» Positiva. Deve ser aquilo que se quer e não o que não se quer.
» Mensurável. Tem que ter dia e hora para acontecer.
» Sustentável. Pergunte-se: esse objetivo faz bem para mim e para quem está ao meu redor?
» Controlável. Ou seja, você tem de estar no controle para alcançar aquilo: não adianta estabelecer como alvo algo para outros serem os responsáveis pela realização.

Fonte: Aline Marra

Link da publicação: http://bit.ly/2QBuzKw

 

Correio Braziliense (versão impressa)

Thomas Case & Associados

Ao longo de 42 anos de atividades, nossos especialistas em Transição de Carreira, Outplacement, Coaching, Executive Search e Desenvolvimento contribuem com reportagens para diversos veículos de comunicação do país, por isso, a Thomas Case & Associados é considerada uma das principais fontes para consultas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *