Candidatos perdem oportunidades por não atualizar o LinkedIn, afirmam especialistas

De acordo com dados divulgados pelo próprio LinkedIn, 59% dos recrutadores dizem que as redes sociais são sua melhor fonte para encontrar candidatos de qualidade. Confiram a participação de Deise Gomes, Gerente Executiva da Thomas Case & Associados Curitiba, para o Yahoo Finanças. 

Por Melissa Santos

Com um mercado de trabalho forte e altamente competitivo, vale a máxima: “quem não é visto, não é lembrado”. Isso acontece principalmente entre os candidatos mais jovens, muitas vezes com pouca experiência, que não entram nas redes sociais de relacionamento profissional.

De acordo com Rodrigo Vianna, CEO da Mappit – consultoria do Grupo Talenses especializada no recrutamento para vagas de início de carreira, uma das principais dificuldades encontradas para a contratação de profissionais em início de carreira é o fato desses candidatos não manterem perfis atualizados e completos no LinkedIn, ou até mesmo nem possuírem contas nessa rede social.

“Na verdade, o que analisamos é que nem sempre os jovens profissionais estão no LinkedIn. E, quando estão, não inserem informações completas sobre o seu perfil profissional. Por isso, torna-se mais difícil os recrutadores os encontrarem por essa ferramenta, que é uma das principais plataformas atualmente para conectar profissionais ao mercado de trabalho”, explica Vianna.

De acordo com dados divulgados pelo próprio LinkedIn, 59% dos recrutadores dizem que as redes sociais são sua melhor fonte para encontrar candidatos de qualidade. Deise Gomes, Gerente Executiva da unidade em Curitiba (PR) da Thomas Case & Associados, consultoria de atuação na gestão de carreiras e RH, deixa claro que para que um RH ou headhunter encontre os perfis para os processos seletivos é imprescindível estar com o perfil atualizado e campeão (nomenclatura utilizada pelo próprio LinkedIn).

“Caso contrário, corre-se o risco de não aparecer em uma busca. A grande maioria dos profissionais de recrutamento e seleção usa a rede social como ferramenta de trabalho/prospecção de candidatos. Dificilmente encontramos um profissional de RH, sem LinkedIn”, fala.

Por isso, quando os recrutadores buscam perfis no LinkedIn por meio de palavras-chave, encontram muito menos profissionais do que existem para determinada vaga. “Diversos candidatos perdem oportunidades porque não são encontrados em uma das principais ferramentas utilizadas pelas empresas de recrutamento nos dias de hoje”, afirma Vianna.

Gomes explica que o LinkedIn faz busca de caracteres, logo, ter um perfil completo/ campeão e sempre atualizado. “Se o candidato cumpre essas normas, aumenta as chances de aparecer primeiro nas buscas e também se mostrar de forma atrativa. É importante para que a conexão entre profissionais e recrutadores aconteça da forma mais assertiva possível. Dessa forma, o profissional sempre terá sempre abertura para conhecer as diferentes oportunidades do seu mercado de atuação. E, claro, avaliar as possíveis oportunidades que surgirem de acordo com o seu interesse de carreira”, fala a Gerente Executiva da Thomas Case & Associados.

E a atualização do perfil deve ser sempre realizada, independente de estar procurando ou não emprego. “Mesmo que a pessoa não esteja procurando, pode surgir alguma oportunidade de trabalho ainda mais interessante que a atual, e ela poderá avaliar se tem interesse ou não de participar do processo seletivo. O segundo motivo é o networking para o seu mercado de atuação. Manter o LinkedIn atualizado pode propiciar interações e oportunidades na sua área de atuação, independentemente de estar procurando emprego, é uma forma do profissional ser visto pelo mercado e manter seus relacionamentos profissionais aquecidos”, explica CEO da Mappit.

Por isso, Vianna dá cinco dicas essenciais do que os candidatos não devem deixar de preencher na ferramenta para aumentar as chances de receberem mais visitas de recrutadores:

1. Manter um perfil com foto

Perfis com fotos são mais atrativos e 14 vezes mais vistos, de acordo com dados do LinkedIn. Além disso, passam a impressão de que são reais e de que o candidato não tem nada a esconder.

2. Preencher todas as informações completas

Discorra sobre suas atividades nos últimos trabalhos de maneira detalhada, como se fosse no seu próprio currículo, assim suas chances de ser chamado para uma entrevista aumentam.

3. Use e abuse das palavras-chave

Utilize palavras-chave para ser encontrado pelo cargo, atuação e domínio de alguma tecnologia. Os recrutadores dispõem de ferramentas próprias de busca que captam, por exemplo, uma pessoa que escreveu “Excel” no seu perfil, ou que escreveu “analista de marketing”, portanto, aplique palavras facilitem esta busca.

4. Escreva um resumo

Invista no resumo e escreva ali algo que o recrutador geralmente pergunta ou que vai te diferenciar de alguma forma.

5. Capriche nas experiências

Não se intimide pela falta de experiência. Buscar o primeiro emprego ou estágio pelo LinkedIn também é válido. Portanto, preencha os campos da forma mais completa possível e coloque experiências que teve dentro da faculdade, como participação em empresa júnior ou iniciação científica, ou mesmo em áreas diferentes da que você esteja cursando.

Link da publicação: http://bit.ly/2tmkpEq

Thomas Case & Associados

Ao longo de 41 anos de atividades, nossos especialistas em Transição de Carreira, Outplacement, Coaching, Executive Search e Desenvolvimento contribuem com reportagens para diversos veículos de comunicação do país, por isso, a Thomas Case & Associados é considerada uma das principais fontes para consultas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *