Pesquisa indica o que faz com que os brasileiros percam oportunidades de trabalho

Já parou para pensar o que faz com que as pessoas percam oportunidades bacanas no mercado de trabalho? Confiram a participação de Felipe Barreto, Gerente de Transição de Carreira da Thomas Case & Associados Belo Horizonte, no Yahoo Finanças.

Por Melissa Santos

Já parou para pensar o que faz com que as pessoas percam oportunidades bacanas no mercado de trabalho? De acordo com uma pesquisa realizada pelo LinkedIn, maior rede social profissional do mundo, quase 80% dos profissionais do Brasil não se candidatam nas vagas de emprego que gostariam ou que têm interessem. Porque? Medo de que o novo emprego seja pior que o atual, segundo 18% dos participantes.

Na opinião dos especialistas ouvidos pelo Yahoo, é natural que as pessoas se sintam inseguras em uma situação desse tipo. “O momento econômico do Brasil nos últimos anos com certeza é uma das principais causas dos profissionais preferirem não trocar um trabalho certo por um risco. Muitos deles pensam que podem não serem bem avaliados pelo próximo empregador. E se forem desligados desta nova oportunidade de trabalho, correm risco de passarem muito tempo desempregados”, afirma Rodrigo Vianna, CEO da Mappit, consultoria especializada no recrutamento de profissionais de início de carreira.

Além disso, Felipe Barreto, Gerente de Transição de Carreira da Thomas Case & Associados, consultoria de gestão de carreiras e RH, também cita que muitas vezes cabe a um único profissional a renda de toda uma família. “Se este se arrisca em um novo emprego e por qualquer motivo ele é desligado, toda essa família acaba sofrendo e, como não podemos controlar as consequências do futuro, por mais que sejam planejadas, muitas intempéries podem acontecer no caminho. Desta forma, o profissional acaba obrigado a ‘engolir sapos’ em seu atual emprego por conta de ser o braço mantenedor da estrutura familiar”, fala.

Os dados levantados pelo LinkedIn são preocupantes, ainda mais levando em conta que 23% dos trabalhadores brasileiros se sentem infelizes e sem inspiração em seus cargos atuais. Para Barreto, o maior perigo desses profissionais se manterem nessa zona de conforto é serem acometidos com doenças ocupacionais de forma acelerada.

“Segundo a Unimed, os sofrimentos psíquicos são uma das graves consequências do profissional que se perpetua insatisfeito. Sofrimentos como a ansiedade e o estresse estão diretamente ligados às pressões internas e externas deste ambiente “hostil” de trabalho”, fala.

De acordo com a pesquisa, ainda, os profissionais levam, em média, até 10 meses para se candidatarem a um novo emprego. Vianna acredita que é preciso todo cuidado ao planejar uma transição para um novo emprego, principalmente os profissionais que dependem rigorosamente dos seus salários para sustento. “No entanto, é preciso avaliar como está a sua situação no seu emprego atual. Se você tiver insatisfeito – seja por dificuldade de crescimento, por incompatibilidade com gestor e equipe, ou qualquer outro motivo – é importante não se acomodar, se planejar, e procurar alternativas diferentes. Caso contrário, você pode se tornar um profissional desmotivado, menos produtivo, o que pode acarretar em uma má avaliação pelos seus gestores e te prejudicar efetivamente em sua carreira”, fala.

No caso de estar se sentindo insatisfeito no trabalho, Barreto indica como primeiro passo, dentro da possibilidade financeira do profissional, buscar orientação de uma consultoria de RH especializada. “Desta forma, através da assessoria, avaliar com auxílio profissional o momento, as consequências positivas e negativas de uma mudança, a tentativa de melhoria no ambiente atual, a busca da comunicação com seu gestor, entre outras. Este seria o método mais assertivo”, afirma.

No entanto, caso não seja possível, o Gerente de Transição de Carreira da Thomas Case & Associados recomenda, caso a empresa tenha um setor de RH estruturado, ir até os profissionais da área em busca de orientação. “Estes profissionais atuam de forma adequada, harmonizada e correta para melhorar o ambiente de trabalho”, afirma.

Vianna também destaca a importância de tentar resolver o que te deixa infeliz no seu emprego atual. “Fale educadamente e respeitosamente com o seu gestor sobre os pontos que te incomodam, esteja pronto para ouvir o que ele tem a dizer. Se após um tempo, você achar que houve uma melhora e faz sentido continuar no emprego atual, ótimo. Caso contrário, é necessário buscar outra alternativa de emprego”, recomenda.

Nesse caso, o CEO da Mappit explica que para que a transição seja feita da forma mais segura possível, é essencial ter planejamento. “Busque vagas em empresas que te atraem, em que a cultura da companhia seja compatível com o seu perfil profissional, com pacotes de remuneração de acordo com suas expectativas, em que os gestores da sua área tenham um modo de trabalhar coerente com o seu. Se todos esses pontos forem bem avaliados, você aumenta suas chances de ter sucesso nessa transição para uma nova oportunidade”, fala.

Link da publicação: http://bit.ly/2Wbw19M

Thomas Case & Associados

Ao longo de 42 anos de atividades, nossos especialistas em Transição de Carreira, Outplacement, Coaching, Executive Search e Desenvolvimento contribuem com reportagens para diversos veículos de comunicação do país, por isso, a Thomas Case & Associados é considerada uma das principais fontes para consultas.

4 thoughts on “Pesquisa indica o que faz com que os brasileiros percam oportunidades de trabalho

  1. Gostei muito da matéria ” Pesquisa indica o que faz com que os brasileiros percam oportunidades de trabalho”,
    o medo é um grande empecilho para o crescimento do profissional, mas me fez lembrar uma frase do Sr. Walt Disney que diz “Não deixe que seus medos ocupem o lugar dos seus sonhos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *