Não deixe o medo dominar você

É mito achar que os verdadeiros líderes nasceram para tal e não sentem medo. Confira mais um artigo exclusivo de Norberto Chadad, Presidente da Thomas Case & Associados, para o app da Revista Você S/A.

Liderar implica em assumir riscos, e assumir riscos implica em cometer erros. Considerando essa correlação inevitável, cabe ao líder o papel de minimizar a quantidade de falhas da equipe, tornando o trabalho mais eficiente e produtivo. Para isso, é fundamental que a liderança seja reconhecida espontaneamente pelo grupo.

O líder está sempre no alvo das atenções, da mesma forma que um artista no palco iluminado por um holofote. Portanto, é compreensível que ele sinta medo de errar, bem como o ator tem receio de esquecer sua fala. O problema existe quando a insegurança vem a ser um fator negativo, que impede a equipe e, consequentemente, a empresa de avançar.

Sabendo que a falha é comum ao ser humano, o melhor a fazer é aceitá-la. Evite ser um perfeccionista, daqueles que acham que nunca vão errar. Correr riscos faz parte do processo de evolução de qualquer pessoa. Além disso, há um interessante conceito de marketing que diz tudo: é melhor lançar um produto ou um serviço suficientemente bom do que esperar o momento perfeito que nunca chegará.

Tenha em mente que qualquer trabalho contém imperfeições. Faz parte do ciclo natural do mercado: inicia-se com o planejamento e depois vem a execução. Nesta fase são percebidos os primeiros erros, que demandam ajustes para que o trabalho volte a ser executado adequadamente até o objetivo final, seja de entrega de um serviço, seja a fabricação de um produto novo.

Lembre-se também que todo indivíduo racional sente medo; e o principal é o da rejeição. É bom ter consciência disso, pois temores podem atrapalhar sua performance de liderança. Há mitos que sustentam que os verdadeiros líderes nasceram para tal e não sentem medo. Prefiro pensar que o verdadeiro líder o sente, porque é humano, e deve saber contorná-lo.

Evidentemente, existem pessoas com mais facilidade para liderança, da mesma forma que existem profissionais que assimilam mais rapidamente algum desafio proposto. A principal diferença entre um profissional com capacidade de liderança e outro sem essa característica está no perfil.

Enquanto o primeiro reconhece sua história, a origem de suas inseguranças e não tem medo de se expor, o outro nutre o temor de ser visto pela equipe, ou até por si mesmo, como incapaz.

Algumas dicas ajudam a se tornar um grande líder de forma mais informal:

1) não faça a ninguém algo que não gostaria que fosse feito a você. Hoje você pode estar em posição de liderança e, amanhã, poderá estar subordinado a quem hoje é seu subordinado;

2) trate as pessoas sempre com respeito e tenha a humildade de pedir ajuda a alguém mais experiente;

3) valorize o trabalho de sua equipe – faça, sem receio, seus reconhecimentos pelos acertos e competências demonstradas.

A prova de que o risco é inerente a qualquer ser humano é a história de Bill Gates, um dos homens mais ricos do mundo. Em 1985, no começo da Microsoft, ele assinou um acordo com a gigante IBM para o desenvolvimento conjunto de sistemas operacionais. Fechou o negócio sem ter nada preparado e assumiu a possibilidade de errar. Por outro lado, percebeu que aquele negócio seria a oportunidade de fazer a empresa crescer.

Se Gates tivesse deixado o medo dominá-lo, não teríamos computadores com Windows nos dias de hoje. Ele se desafiou, tornou-se uma lenda no mundo inteiro e ainda hoje é fonte de inspiração para muita gente.

Norberto Chadad

Presidente da Thomas Case & Associados

4 thoughts on “Não deixe o medo dominar você

  1. Parabéns, Norberto Chadad.
    O texto é perfeito e reflete uma situação que é muito comum nos dias atuais.
    A velocidade com que as mudanças e inovações acontecem, já são suficientes para causar insegurança até mesmo nos profissionais que estão muito bem preparados.

    Um grande abraço!

    1. Como vai, Sidnei? Ficamos felizes que gostou do artigo do nosso presidente, Norberto Chadad. Será um prazer a sua companhia em nossos posts. Até logo!

  2. Artigo muito bom e verdadeiro. Quem não tem medo é temerário e, por isso, perigoso. O mais importante, em minha opinião, é entender o quanto os erros podem agregar em conhecimento.

    Parabéns pelo artigo.

    1. Prezado Fabrício, comentário bastante pertinente e reflexivo. Que bom que gostou do artigo escrito por nosso presidente, Norberto Chadad. Acompanhe nossos posts sempre que puder. Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *